ORGANIZAÇÃO DOS PROJETOS

Porquê os projetos estão organizados de acordo

com o código noético,mas em ordem inversa ...?

   

       O Ponto é que existe uma expansão infinita da luz de D’us. Todo tipo de expressão para manifestação Divina, é para nosso benefício, de tentar fazer um pouco de sentido sobre o Divino. Mas nEle, Ele mesmo, tudo é uma coisa só e única. E esse é o objetivo, organizar estes projetos, de modo a impressionar ainda mais, sobre o fato de que D-us é Um, Singular e Único.

 

     Único, em relação a D-us, significa que Ele desafia a lógica. Ele é chamado de “O paradoxo dos paradoxos”. Porque? Porque Ele, absolutamente transcende, qualquer polaridade ou opostos. E como trazer isso na prática? É simples, por exemplo: pega a natureza - aquilo que nós entendemos como o agrupamento de Leis Naturais. De acordo com a Torá, no estudo da língua Santa (hebraico), Natureza=Hateva. E Hateva é D-us oculto, pois equivale ao mesmo valor numérico de Elokim [um dos nomes de D’us]). Sob a nossa perspectiva, nós vemos a natureza como ela é. E um milagre, nós vemos como sendo algo que contradiz a Natureza. O milagre é uma situação, ou evento, que de algum maneira, suspende ou altera as leis naturais. E nesse conceito, de que D’us absolutamente transcende, qualquer polaridade ou opostos, quando aplicado na “polaridade”: milagre – natureza, natureza – milagre, pode-se afirmar que: para Ele, ambos são o mesmo. Isto explica um pouquinho, do que significa, a ideia de que Ele transcende qualquer coisa oposta. NEle, tudo é uma coisa só. Então, enquanto que para nós, aqui, e num nível mais baixo, onde as coisas vão se dividindo... se separando... se polarizando... tendo opostos, nós enxergamos Natureza e milagres como coisas que estão em pontos distintos. Mas em D’us, é a mesma coisa. Natureza, milagre é tudo igual. Assim é também com as Sete Leis... Código Universal... ou simplesmente “Leis Naturais”. Pois independentemente de sua ordem, as Sete leis, são na verdade, apenas, categorias de leis, contendo inúmeras ramificações, que juntas formam uma estrutura única e mínima necessária para as nações. Na prática, é equilíbrio para o mundo, promover Sua existência, o Criador, Ele mesmo.

(Texto baseado na transcrição da aula:                                                                      

 

“D-us...

Ele foi ... É ... e Será...

Onipresença ... Onipotência ... Onisciência...

   Manifestações múltiplas... mas todas essas, quando nós buscamos a sua origem, na luz absoluta de D-us antes da contração, voltam ao estado de absoluta Unicidade... o erro dos povos é acabar negligenciando essa unicidade de D-us, a raiz de suas manifestações...

    Quem conhece o UM? ...

Eu conheço o UM

UM é o nosso D-us, no céu e na Terra

Quem conhece o dois? ... Eu conheço o dois, 2 são as tábuas da Lei...

   UM é o nosso D-us, no céu e na Terra...

Quem conhece o três... quatro... cinco... seis... sete... oito... nove... dez... treze?

13 são os atributos Divinos de Misericórdia... 12... 11... 10 são os dez mandamentos...

9 são os meses de gravidez...8... 7... 6... 5... 4... 3... 2...

UM É O NOSSO D-US, NO CÉU E NA TERRA...

O mais importante... é que depois de cada resposta, sobre um número em questão, é que nós voltamos através os números anteriores, até alcançar, o UM. Tudo volta para o UM, porque UM D-us é a origem de toda pluralidade no nosso mundo."

 

(Rabino Avraham Chachamovits)